Acne na mulher adulta

Acne na mulher adulta

&a

O que faz com que uma mulher na faixa dos 40 anos tenha acne?
Não há uma causa bem estabelecida que justifique a presença de acne na mulher adulta. Ela pode ser uma acne persistente (com início na adolescência) ou aparecer subitamente nesta faixa etária. Várias hipóteses têm sido formuladas, e a mais frequentemente encontrada é a suposição de uma influência hormonal, incluindo as alterações geradas pelo estresse intenso crônico. O fumo é um fator que predispõe ao aparecimento da acne. A herança genética também assume importância, 50% das pacientes têm história familiar de acne que persiste na pós-adolescência. Também devemos excluir fatores externos que podem estar levando ao aparecimento ou piora das lesões como o uso de certos medicamentos e vitaminas, a acne cosmética (pelo uso de cremes faciais que não são específicos para seu tipo de pele, cremes de pentear os cabelos aplicados em grande quantidade e uso de maquiagem que deixa resíduos sobre a pele obstruindo os poros, o que aumenta a oleosidade e formação de cravos e espinhas) e acne detergicans (por excesso de lavagens). 
Estão sendo realizadas pesquisas no sentido de identificar o perfil psicológico destes pacientes. A glândula adrenal é estimulada pelo estresse, liberando sulfato de deidroepiandrosterona e outros androgênios levando a formação de acne. 
Nos últimos anos ocorreu um aumento dos casos perimenopausa, principalmente nas mulheres com mais de 35 anos, nas quais se identifica uma diminuição do estradiol na fase folicular do ciclo menstrual, gerando um hiperandrogenismo relativo, com conseqüente formação de acne.
O problema é mais comum na face, principalmente na região perioral, queixo e linha da mandíbula.
Existe alguma diferente entre essa acne e a que se tem aos 20 e aos 30 anos? 
A acne da mulher adulta (acima de 25 anos) costuma ser leve a moderada, com predomíneo de lesões inflamatórias (espinhas) no terço inferior da face e poucos comedões (cravos) principalmente na região frontal. As lesões inflamatórias são responsáveis pelas cicatrizes deprimidas e pela pigmentação escura pós-inflamatória. O grau de oleosidade é menor do que nos casos de acne adolescente, sendo freqüente a pele seca e sensível. Neste grupo é mais freqüente a auto-escoriação, com formação de feridas, crostas e cicatrizes hiperpigmentadas. A presença de escoriaç tilde;o pode estar associada a distúrbios psiquiátricos como a depressão, distúrbio obsessivo-compulsivo, distúrbio da auto-imagem e de personalidade. Quando a acne aparece na pós-adolescência, devemos pesquisar se há alterações metabólicas (ovário, adrenal, andrógenos periféricos) que podem estar sendo responsáveis pela formação da acne. A acne nas mulheres na faixa dos 40 anos pode refletir as modificações hormonais que ocorrem após os 35 anos de idade (acne perimenopausa e pós-menopausa).  
Tratamento:
O tratamento destas pacientes deve ser diferente dos demais tipos de acne, pois a pele costuma ser mais seca e sensível do que a acne adolescente. 
A paciente deve ter paciência e persistência no tratamento uma vez que a resposta terapêutica é lenta.
Lavar o rosto de manhã e a noite com um sabonete de pH fisiológico (menos irritante e não deixa resíduos). Não esfoliar a pele com materiais abrasivos. Esta conduta pode agravar a acne, pois provoca reação inflamatória. Usar filtro solar não oleoso pela manhã e um produto anti-acne à noite.
O peróxido de benzoíla é um dos produtos mais utilizados no tratamento da acne. Ele possui propriedade anti-inflamatória e anti-bacteriana contra o Propionibacterium acnes (bactéria envolvida na patogênese do acne). Deve ser aplicado três vezes na semana, assim evita-se descamação e vermelhidão na face. A concentração do produto vai ser determinada após avaliação pelo dermatologista.
O ácido azeláico atua regularizando a queratinização e também contra o P.acnes. É um agente escolhido nos casos em que a lesão de acne deixa manchas escuras. 
O ácido salicílico deixa a pele um pouco mais fina, melhorando a penetração de outras substâncias. Também possui uma discreta ação anti-inflamatória. 
Os retinóides expulsam os cravos maduros, inibem a formação de micro-cravos e melhoram a penetração de outras substâncias. Também atuam no tratamento de rejuvenescimento (bom para uso nessa  faixa etária).
Os AHA (alfa-hidroxi-ácidos) são hidratantes, tratam rugas finas, melhoram a textura da pele, removem os cravos e previnem sua formação. Nesta faixa etária essas substâncias são muito úteis no tratamento do acne. O ácido glicólico combinado com hidroquinona ou ácido kójico é muito utilizado quando o acne gera marcar escuras.
Tratamento no consultório:
Comedões fechados, macrocomedões e pequenos cistos devem ser removidos no consultório. Os peelings químicos são úteis principalmente nos casos de hiperpigmentação pós-inflamatória. Eles atuam fazendo uma esfoliação química, “secando” as lesões e afinando a pele, normalizando a proliferação celular. São indicadas 6 a 10 sessões com intervalo de 15 dias entre elas. Após 48 horas do peeling começa uma descamação fina que dura cerca de 3 dias. O rosto pode ficar um pouco vermelho. Pode-se usar maquiagem no pós peeling e não impede a realização das tarefas diárias. O resultado se nota em 1 semana. Esse tratamento pode ser utilizado em qualquer tipo de pele e em acne de diversos graus, requer manutenção anual
A terapia fotodinâmica que consiste na aplicação de luz ultravioleta com ALA (ácido 5-aminolevulínico) melhora a acne por seu efeito anti-inflamatório e oxidação do P.acnes. O produto necessita ficar ocluído na área a ser tratada durante aproximadamente 2 horas antes da aplicação da luz. São necessárias 4 sessões com intervalo de 1 semana. Esse tratamento pode ser utilizado em acne de diversos graus, requer manutenção anual.

O que faz com que uma mulher na faixa dos 40 anos tenha acne?
Não há uma causa bem estabelecida que justifique a presença de acne na mulher adulta. Ela pode ser uma acne persistente (com início na adolescência) ou aparecer subitamente nesta faixa etária. Várias hipóteses têm sido formuladas, e a mais frequentemente encontrada é a suposição de uma influência hormonal, incluindo as alterações geradas pelo estresse intenso crônico. O fumo é um fator que predispõe ao aparecimento da acne. A herança genética também assume importância, 50% das pacientes têm história familiar de acne que persiste na pós-adolescência. Também devemos excluir fatores externos que podem estar levando ao aparecimento ou piora das lesões como o uso de certos medicamentos e vitaminas, a acne cosmética (pelo uso de cremes faciais que não são específicos para seu tipo de pele, cremes de pentear os cabelos aplicados em grande quantidade e uso de maquiagem que deixa resíduos sobre a pele obstruindo os poros, o que aumenta a oleosidade e formação de cravos e espinhas) e acne detergicans (por excesso de lavagens). 

Estão sendo realizadas pesquisas no sentido de identificar o perfil psicológico destes pacientes. A glândula adrenal é estimulada pelo estresse, liberando sulfato de deidroepiandrosterona e outros androgênios levando a formação de acne. 

Nos últimos anos ocorreu um aumento dos casos perimenopausa, principalmente nas mulheres com mais de 35 anos, nas quais se identifica uma diminuição do estradiol na fase folicular do ciclo menstrual, gerando um hiperandrogenismo relativo, com conseqüente formação de acne.

O problema é mais comum na face, principalmente na região perioral, queixo e linha da mandíbula.
Existe alguma diferente entre essa acne e a que se tem aos 20 e aos 30 anos? A acne da mulher adulta (acima de 25 anos) costuma ser leve a moderada, com predomíneo de lesões inflamatórias (espinhas) no terço inferior da face e poucos comedões (cravos) principalmente na região frontal. As lesões inflamatórias são responsáveis pelas cicatrizes deprimidas e pela pigmentação escura pós-inflamatória. O grau de oleosidade é menor do que nos casos de acne adolescente, sendo freqüente a pele seca e sensível. Neste grupo é mais freqüente a auto-escoriação, com formação de feridas, crostas e cicatrizes hiperpigmentadas. A presença de escoriação pode estar associada a distúrbios psiquiátricos como a depressão, distúrbio obsessivo-compulsivo, distúrbio da auto-imagem e de personalidade. Quando a acne aparece na pós-adolescência, devemos pesquisar se há alterações metabólicas (ovário, adrenal, andrógenos periféricos) que podem estar sendo responsáveis pela formação da acne. A acne nas mulheres na faixa dos 40 anos pode refletir as modificações hormonais que ocorrem após os 35 anos de idade (acne perimenopausa e pós-menopausa).  

Tratamento:
O tratamento destas pacientes deve ser diferente dos demais tipos de acne, pois a pele costuma ser mais seca e sensível do que a acne adolescente. 
A paciente deve ter paciência e persistência no tratamento uma vez que a resposta terapêutica é lenta.

Lavar o rosto de manhã e a noite com um sabonete de pH fisiológico (menos irritante e não deixa resíduos). Não esfoliar a pele com materiais abrasivos. Esta conduta pode agravar a acne, pois provoca reação inflamatória. Usar filtro solar não oleoso pela manhã e um produto anti-acne à noite.

O peróxido de benzoíla é um dos produtos mais utilizados no tratamento da acne. Ele possui propriedade anti-inflamatória e anti-bacteriana contra o Propionibacterium acnes (bactéria envolvida na patogênese do acne). Deve ser aplicado três vezes na semana, assim evita-se descamação e vermelhidão na face. A concentração do produto vai ser determinada após avaliação pelo dermatologista.

O ácido azeláico atua regularizando a queratinização e também contra o P.acnes. É um agente escolhido nos casos em que a lesão de acne deixa manchas escuras. 
O ácido salicílico deixa a pele um pouco mais fina, melhorando a penetração de outras substâncias. Também possui uma discreta ação anti-inflamatória. 

Os retinóides expulsam os cravos maduros, inibem a formação de micro-cravos e melhoram a penetração de outras substâncias. Também atuam no tratamento de rejuvenescimento (bom para uso nessa  faixa etária).

Os AHA (alfa-hidroxi-ácidos) são hidratantes, tratam rugas finas, melhoram a textura da pele, removem os cravos e previnem sua formação. Nesta faixa etária essas substâncias são muito úteis no tratamento do acne. O ácido glicólico combinado com hidroquinona ou ácido kójico é muito utilizado quando o acne gera marcar escuras.

Tratamento no consultório:
Comedões fechados, macrocomedões e pequenos cistos devem ser removidos no consultório. Os peelings químicos são úteis principalmente nos casos de hiperpigmentação pós-inflamatória. Eles atuam fazendo uma esfoliação química, “secando” as lesões e afinando a pele, normalizando a proliferação celular. São indicadas 6 a 10 sessões com intervalo de 15 dias entre elas. Após 48 horas do peeling começa uma descamação fina que dura cerca de 3 dias. O rosto pode ficar um pouco vermelho. Pode-se usar maquiagem no pós peeling e não impede a realização das tarefas diárias. O resultado se nota em 1 semana. Esse tratamento pode ser utilizado em qualquer tipo de pele e em acne de diversos graus, requer manutenção anual

A terapia fotodinâmica que consiste na aplicação de luz ultravioleta com ALA (ácido 5-aminolevulínico) melhora a acne por seu efeito anti-inflamatório e oxidação do P.acnes. O produto necessita ficar ocluído na área a ser tratada durante aproximadamente 2 horas antes da aplicação da luz. São necessárias 4 sessões com intervalo de 1 semana. Esse tratamento pode ser utilizado em acne de diversos graus, requer manutenção anual.

Artigos & Dicas